COMPOSTA SÃO PAULO

Composta São Paulo

 

PAÍS , ESTADO E MUNICÍPIO:  Brasil, São Paulo, São Paulo .

CARACTERÍSTICAS DO MUNICÍPIO

População: 11.253.503 hab.

NOME DO PROJETO Composta São Paulo

CATEGORIA/INICIATIVA

Empresarial ( ) Governamental ( X ) Individual/Coletiva ( )

DESCRIÇÃO DO PROJETO

Síntese do Projeto

O Composta São Paulo selecionou 2 mil domicílios de diversos perfis para receber uma composteira doméstica e participar de oficinas de compostagem e plantio. Além de fazer parte de uma comunidade online de troca de conhecimento e experiências, os participantes ajudam a gerar informações e aprendizados que serão utilizados para impulsionar e fomentar a elaboração de uma política pública que estimule a prática da compostagem doméstica na cidade de São Paulo.

Metodologia

O projeto Composta São Paulo visa conscientizar moradores da cidade de São Paulo sobre a compostagem doméstica como forma de reciclar os resíduos orgânicos produzidos nas residências e levantar informações pertinentes para a multiplicação dessa prática entre a população da Cidade.

Trata-se de uma iniciativa da Secretaria de Serviços da Prefeitura de São Paulo, por meio da AMLURB, realizado pelas concessionárias de limpeza urbana Loga e Ecourbis. A idealização e execução é da Morada da Floresta. Este projeto piloto é uma das ações do programa municipal SP Recicla.

Foram convidadas cerca de 10.000 famílias para participar voluntariamente do Projeto a partir, principalmente de condomínios, escolas e comunidades (Centros de Apoio).

O projeto também selecionou munícipes que se inscreveram espontaneamente pelo Questionário de Cadastro disponível no site www.compostasaopaulo.eco.br

Para estes, as inscrições foram abertas até o dia 27 de julho de 2014. Todos que se inscreveram espontaneamente receberam um email informativo após essa data. As oficinas das entregas destas composteiras ocorreram em agosto de 2014.

O projeto selecionou 2 mil domicílios de diversos perfis para receber uma composteira doméstica e participar de oficinas de compostagem e plantio. Os participantes também foram convidados para fazer parte de uma comunidade online de troca de conhecimento e experiências.

Os participantes estão ajudando a gerar informações e aprendizados que serão utilizados para impulsionar e fomentar a elaboração de uma política pública que estimule a prática da compostagem doméstica na cidade de São Paulo.

Um dos objetivos centrais do projeto é gerar informações e aprendizados que serão utilizados para impulsionar e fomentar a elaboração de uma política pública que estimule a prática da compostagem doméstica na cidade de São Paulo. Para isso, serão realizadas 3 pesquisas ao longo do projeto: a primeira, sobre os hábitos domiciliares, a segunda sobre o uso da composteira e, ao final, uma terceira para verificar e consolidar as mudanças de hábitos e as soluções encontradas em cada domicílio.

As informações obtidas com a experiência dos participantes serão sistematizadas e ajudarão a Prefeitura a planejar ações para introduzir a compostagem doméstica na gestão integrada dos resíduos sólidos da Cidade de São Paulo.

Para os participantes selecionados, o Projeto forneceu as composteiras domésticas, oficinas e manuais, tanto para capacitação sobre o uso das mesmas como para aproveitamento do composto orgânico em pequenos plantios urbanos, acompanhamento e suporte técnico.

Os participantes assinam um termo em que se comprometem a participar das 3 atividades previstas, responder a 3 questionários e devolver a composteira caso decidam não mais utilizá-la, de modo que esta possa ser direcionada à outra família.

As 3 atividades do projeto são:
1. Oficina de capacitação na entrega da composteira doméstica;
2. Oficina de capacitação em pequenos plantios urbanos;
3. Encontro para compartilhamento de experiências e estímulo à multiplicação da prática.

Impactos do Projeto

Cada composteira doméstica tem capacidade para reciclar de 1 à 2 kg/dia de resíduos orgânicos e pode reduzir pela metade o volume de resíduo gerado por família. Somando as 2.000 famílias, o projeto proporcionará a compostagem descentralizada de 2 à 4 ton/dia de resíduos orgânicos domésticos.

Se cada família também separar os resíduos secos recicláveis, encaminhando-os para a coleta seletiva, o volume de rejeitos a ser destinado aos aterros sanitários será reduzido à 25%, contribuindo para aumentar a vida útil dos mesmos e reduzir os impactos ao meio ambiente.

Ao reduzir os resíduos domésticos destinados aos aterros sanitários em até 75%, a prática da compostagem doméstica diminui custos de coleta e destinação final. Diminui também os impactos ambientais produzidos pela presença dos resíduos orgânicos nos aterros sanitários.

O adubo orgânico produzido pelas composteiras domésticas é benéfico para o solo, pois restitui à natureza parte dos nutrientes retirados pelas colheitas. Este pode tanto ser utilizado em pequenos plantios domésticos e urbanos, na agricultura orgânica e/ou agroecológica, e também ser utilizado para nutrir árvores da cidade e de reflorestamento, funcionando como um poderoso estimulante do seqüestro de carbono da atmosfera.

A prática da compostagem doméstica também transforma a vida das famílias, pois proporciona educação ambiental e estimula a recuperação de um laço pessoal com os ciclos da natureza, agricultura urbana, arborização, alimentação saudável e demais relações ecológicas.

Benefícios da Compostagem Doméstica:

– Diminui diretamente cerca de 50% dos resíduos produzidos pela residência;
– Estimula a família a separar os resíduos entre orgânicos, recicláveis e rejeitos;
– Recicla os resíduos orgânicos produzidos pela família na própria residência;
– Transforma os resíduos orgânicos em adubo de excelente qualidade para plantas e flores;
– Proporciona educação ambiental divertida para as crianças e demais integrantes da família;
– Promove satisfação e autoestima às pessoas por contribuírem com o meio ambiente;
– Promove integração entre as pessoas que também praticam a compostagem doméstica;
– Conscientiza sobre problemas e soluções com respeito ao meio ambiente e ao planeta;
– Estimula a prática de pequenos plantios urbanos;
– Diminui o fluxo de resíduos destinados aos aterros sanitários, contribuindo para o aumento da vida útil dos mesmos;
– Diminui os impactos ambientais produzidos pela presença dos resíduos orgânicos nos aterros sanitários;
– Adequa a gestão dos resíduos orgânicos domésticos às diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010)

 

OBJETIVOS

Um dos objetivos centrais do projeto é gerar informações e aprendizados que serão utilizados para impulsionar e fomentar a elaboração de uma política pública que estimule a prática da compostagem doméstica na cidade de São Paulo.

INDICADORES QUANTITATIVOS

Distribuição para demanda espontânea

INDICADORES QUALITATIVOS

Depoimentos dos participantes do projeto:

http://www.compostasaopaulo.eco.br/depoimentos/

RESULTADOS

http://www.compostasaopaulo.eco.br/resultados2014/

Números do projeto

 

Coletividade

 

Avaliações e transformações

 

Os participantes

 

Prefeito Fernando Haddad recendo uma composteira doméstica de presente de Cláudio Spínola no CEU Casa Blanca
Prefeito Fernando Haddad recendo uma composteira doméstica de presente de Cláudio Spínola no CEU Casa Blanca

 

Oficina do Composta São Paulo na Sala Crisantempo com a participação de Silvano Silvério, presidente da AMLURB, Simão Pedro Secretário de Serviço e Claudio Spinola da Morada da Floresta.
Oficina do Composta São Paulo na Sala Crisantempo com a participação de Silvano Silvério, presidente da AMLURB, Simão Pedro Secretário de Serviço e Claudio Spinola da Morada da Floresta.

CONTATO

[email protected]

FONTES

http://www.compostasaopaulo.eco.br/

https://www.facebook.com/compostasaopaulo?fref=ts