Jovens têm Encontro com a Sustentabilidade Planetária e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

IMG_4785Organizado pelo Programa Jovem Monitor/a Cultural em parceria com a Aliança Resíduo Zero Brasil ocorreu no último dia 22 mais um encontro de formação de 130 jovens com o tema sustentabilidade planetária, águas, consumismo e os impactos na vida contemporânea.

Durante o período da manhã os jovens participaram da apresentação do panorama geral sobre sustentabilidade e a relação com a geração de resíduos sólidos, apresentado por Nina Orlow e Clauber Leite, representantes de Aliança Resíduo Zero Brasil.

Nina Orlow apresentou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), falou sobre a capacidade dos seres humanos de gerenciar os recursos naturais do nosso planeta, da desigualdade na distribuição deles, do consumo e descarte dos produtos gerados. Destacou a prioridade número um em relação aos resíduos, o não gerar, pontuando a mudança de comportamento e de cultura do consumo para se atingir esta meta. Clauber Leite apresentou cada um dos 17 ODS e focou no Objetivo 12 (Consumo e Produção Responsável), relacionando o desperdício de alimento, uso eficiente dos recursos naturais e manejo adequado dos resíduos químicos. No debate, Elisabeth Grimberg respondeu a questionamentos feitos pelos jovens sobre o padrão perdulário de produção, colocando o desafio da ARZB em formular propostas para a elaboração de uma Política Nacional de Produção Durável.

Caio Ferraz, diretor da websérie “Volume Vivo”, apresentou o capítulo “Água de dentro”, que “expõe as possíveis consequências de uma gestão de recursos hídricos que tem como lógica buscar água cada vez mais longe, ao mesmo tempo que negligencia as fontes de água próximas”. Para Ferraz, meio ambiente e cultura não podem ser separados, pois tudo é produção cultural, assim como o consumo. Durante o debate, foram levantados assuntos como o consumo excessivo de água pelas indústrias, a água e a natureza como um produto, a situação atual das obras para abastecimento de água da capital paulista e as garantias de acesso à água potável e ao tratamento de esgoto.

Jovens no Pátio de Compostagem da Lapa
Jovens no Pátio de Compostagem da Lapa

Foram feitas visitas técnicas a dois espaços de processamento de resíduos sólidos domiciliares: um grupo de jovens

visitou o Pátio de Compostagem da Lapa e aprenderam sobre a compostagem com leiras e com minhocas, recebendo amostras do composto gerado no Pátio. Foi montada uma composteira para o aprendizado concreto neste local. Outro grupo foi conhecer a Cooperativa CooperVivaBem, onde tiveram a oportunidade de entender a estrutura do trabalho e os processos de classificação e pre-beneficiamento dos materiais processados, assim como as condições e organização do trabalho dos cooperados. Os jovens foram acompanhados por representantes da Aliança Resíduo Zero Brasil e da equipe do Programa Jovem Monitor Cultural.

ODS avançam para o atendimento do conceito Resíduo Zero

IMG_0273

 

No último dia 04 representantes da ARZB se reuniram com Maria do Carmo Rebouças e Inalda Beder do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que trabalham com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O objetivo do encontro era apresentar às representantes do PNUD o conceito Resíduo Zero para a adesão deste às agendas das suas ações. Não se pode falar de resíduos sem relacionar com os Objetivos pois isto impacta a saúde, mudança de cultura, na economia. A ideia é conhecer mais sobre o conceito, se apropriar disso, para implementá-lo nas conversas interinstitucionais, prefeituras e consórcios com os estados, e como levar para os âmbitos de participação social, como a sociedade se apropria deste tema na questão de reivindicação de direitos. E no o setor privado a meta seria ir além da responsabilidade socioambiental, para implantar uma mudança na cultura da empresa, e começar um diálogo como organismo internacional e colocar estas discussões em documentos e levar para dentro do Pacto Global, falar disso com o Estado no sentido de fiscalização e regulação.

Quando se pensa nos 17 ODS vemos uma gama muito grande de metas, e mesmo assim os resíduos estão envolvidos em muitas delas, pois é uma questão crucial pensar em como se retira a matéria prima, se transporta, se produz o que será consumido. A ARZB atua em várias frentes que vão ao encontro dos ODS.

PNUMA lança coalizão para inspirar ações de redução do desperdício global de alimentos

A iniciativa Campeões 12.3 envolve líderes de todos os setores para criar um movimento político, social e de negócios que ajude a cortar o desperdício pela metade até 2030.

15951717452_b5e1f5e9b6_k-e1453730815479
A iniciativa Campeões 12.3 busca inspirar ações ambiciosas visando a redução da perda e do desperdício de alimentos no mundo. Foto: Flickr/Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (cc)

Uma coalizão formada por 30 líderes internacionais lançou nesta quinta-feira (21) a iniciativa Campeões 12.3 durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, para inspirar ações ambiciosas visando a redução da perda e do desperdício de alimentos no mundo.

O nome do grupo é uma referência à meta 12.3 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que busca reduzir o problema pela metade até 2030. A coalizão será copresidida pelo diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner, e pelo diretor executivo do Grupo Tesco, Dave Lewis.

“Nós desperdiçamos cerca de um terço da comida produzida todos os anos. É por isso que eu dou as boas-vindas para essa abordagem proativa e colaborativa”, disse Steiner.

A Iniciativa ‘Pensar-Comer-Conservar’, do PNUMA em parceria com a Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) aumenta a conscientização e promove política e práticas para reduzir o desperdício de alimentos. O chefe do PNUMA lembrou, no entanto, que para essa meta ser alcançada é necessário criar uma importante base de informações sobre os padrões de produção e o consumo nos dias de hoje.

O diretor executivo ainda encorajou todos os Campeões a contribuírem com a medição do desperdício de comida em seus países e organizações de forma a contribuir para alcançar a meta dos dos ODS, “algo fundamental para a segurança alimentar e o combate à fome, bem como para a mudança climática”, completou Steiner.

Reduzir a perda e o desperdício de alimentos pode ser uma vitória tripla: pode fazer com que os produtores, as empresas e os consumidores economizem dinheiro; pode aliviar a fome ao redor do mundo e mitigar os impactos no clima e nos recursos naturais, como a água.

A Campeões 12.3 inclui presidentes de grandes empresas, ministros de Estados, executivos de pesquisas, instituições intergovernamentais, fundações, organizações de produtores e grupos da sociedade civil. Esses líderes trabalharão para criar um movimento político, social e de negócios para reduzir a perda e o desperdício de alimentos ao redor do mundo.

Fonte: Nações Unidas no Brasil 

 

Dos ODM para os ODS: resultados e desafios

IMG-20150928-WA0007
Da esquerda para a direita: Nina Orlow (Nossa São Paulo e ARZB), Clauber Leite (ARZB), Maria Auxiliadora dos Prazeres (COOPERCRAL), Paulo Renato dos Prazeres (COOPERCRAL ehomenageado pelo Estado de São Paulo), Juliana Belko (ARZB) Elisabeth Grimberg (Instituto Pólis e ARZB) e Delaine Romano (Fórum para o Desenvolvimento da Zona Leste e ARZB)

Na noite de terça-feira, 22, ocorreu durante a Conferência Ethos 360º diálogo sobre a transição dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) criados, pela Organização das Nações Unidas, ONU. A nova Agenda 2030, inclui 17 ODS e 169 metas a serem alcançadas, por todos os governos signatários, nos próximos 15 anos.

Participaram do encontro: Caio Magri, Diretor executivo do Instituto Ethos, Gilberto Carvalho, Presidente do Conselho Nacional do SESI, Jorge Abrahão, Diretor-presidente do Instituto Ethos, Percival Caropreso, Fundador e presidente da Setor Dois e Meio Comunicação de Marketing, Renata Seabra Diretora executiva da Rede Brasileira do Pacto Global, Rodrigo da Rocha Loures, Secretário executivo do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade e Sérgio Andrade, Diretor executivo da Agenda Pública.

Destacamos alguns pontos do diálogo, todos convergindo para uma perspectiva promissora da nova Agenda 2030 a ser aprovada agora em Setembro pela ONU.

Jorge Abrahão, diretor-presidente do Ethos falou que começamos a reconhecer os impactos humanos no planeta e as mudanças climáticas. Segundo ele o Brasil conseguiu avançar em algumas políticas públicas por conta dos ODM e agora precisamos verificar como as empresas podem se integrar a os ODS, com uma agenda de mobilização com de impacto nacional e local. É estratégia dos ODS reunir agendas públicas, empresas, o terceiro setor e pensar os seus objetivos de forma integrada.

Com outro enfoque Percival Caropreso, fundador e presidente da Setor Dois e Meio Comunicação de Marketing, abordou a simplicidade, a linguagem direta e objetiva dos símbolos dos ODM baseada s em placas de trânsito, a mesma linguagem proposta agora para os ODS.

Foi exibido um vídeo mostrando o sucesso dos símbolos durante a campanha dos ODM, idealizados pelo Percival e utilizados pelo mundo todo.

A Rede Brasileira do Pacto Global, criada em 2005 pela ONU visando trazer o setor empresarial para esta discussão. foi representada pela diretora executiva Renata Welinski da Silva Seabra, que ressaltou a importância dos impactos das obras governamentais no meio ambiente e na sociedade. Lembrou –nos da situação dos índios no Mato Grosso do Sul e das comunidades internacionais.

Gilberto Carvalho, ressaltou que os avanços dos ODM no Brasil, foram conquistados principalmente com a parceria entre o governo e a sociedade, numa perspectiva democrática e participativa, e destacou  que a nova Agenda terá continuidade nos avanços, desde que mantida essa mesma força, resultante da responsabilidade dos governos e da participação, cooperação e solidariedade coletiva.

Ao final foram homenageadas lideranças estaduais que atuaram no processo dos ODM e receberam troféus simbolizando a passagem dos ODM para os ODS, produzidos pela Cooperativa Dedo de Gente do Vale do Jequitinhonha.

Um dos homenageados pelo Estado de São Paulo foi o senhor Paulo Renato dos Prazeres*, cooperado da Cooperativa Cratera Limpa, COOPERCRAL, localizada em Parelheiros, no bairro Vargem Grande, na Cratera de Colônia, patrimônio geológico do município de São Paulo.

Estiveram presentes representando a Aliança Resíduo Zero Brasil: Delaine Romano, Juliana Belko, Nina Orlow, Elisabeth Grimberg e Clauber Leite.

 

Por Juliana Belko, para o portal ARZB.

 

*Paulo Renato dos Prazeres tem 63 anos e é catador de materiais recicláveis desde 2005.

Foi fundador e trabalha na Cooperativa de Catadores de Parelheiros Cratera Limpa, COOPERCRAL, que fica dentro da Cratera da Colônia, Vargem Grande, Parelheiros.  A cratera foi originada pelo impacto  de meteoro, estimado com 200m de diâmetro,  há milhões de anos e é patrimônio geológico da cidade  tombado pelo Condephaat. Localizada no extremo sul de São Paulo, hoje é área urbanizada e área de proteção ambiental.

A COOPERCRAL não tem veículo nem sede própria e recebe materiais para reciclagem como  plásticos em geral, celulose,  papelão,  jornal, material ferroso , vidro, garrafas e eletrodomésticos. Faz trabalho de conscientização e nas escolas e na comunidade da região sempre em defesa importância da coleta seletiva, o cuidado com o consumo e o descarte, e no cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos..

Renato integra o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), a Rede Cata Sampa e sempre lutou não só pela melhoria da região e a valorização da categoria de catadores através de formas de produção  cooperativas e populares, mas também apoiando e integrando  diversos movimentos  e iniciativas que melhoram a qualidade de vida e transformam a sociedade tornando a mais justa e sustentável. Ajuda também a promover outras cooperativas e movimentos em prol da coleta seletiva e contra a incineração.

Participa do Movimento Estadual pelos Objetivos de Desenvolvimento do  Milênio,  Nós Podemos São Paulo, desde 2008. Busca sempre participar das reuniões e de iniciativas em prol dos ODM, dedicando-se à causa coletiva, o que significa períodos de ausência na cooperativa de catadores, com o apoio e aval da COOPERCAL, especialmente de sua esposa a Maria Auxiliadora que também é catadora.

Pela sua dedicação e luta pela permanente pelas questões socioambientais e de sustentabilidade na prática, recebe de nós a homenagem.

ONGs cobram criação de comissão para agenda de desenvolvimento da ONU no Brasil

ODS

Representantes de organizações da sociedade civil estão negociando para que o governo federal crie uma comissão para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no Brasil. Os ODS vão guiar os países em uma agenda global de desenvolvimento sustentável até 2030 e substituir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), vigentes até o fim deste ano.

“Nossa expectativa é que seja uma comissão composta por autoridades com capacidade e poder de decisão. Que ela envolva diferentes setores do governo, até para dar conta de uma agenda tão ampla, mas que essencialmente tenha uma boa representação da sociedade civil”, disse a coordenadora geral da ONG Gestos e diretora da Abong, Alessandra Nilo.

A Abong é uma plataforma que reúne ONGs brasileiras e que faz parte do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para o Pós 2015, que acompanha as negociações intergovernamentais de construção dos ODS. O grupo esteve reunido em Brasília ontem (16) e hoje (17) para traçar as estratégias da sociedade civil na agenda de desenvolvimento para 2030.

A nova agenda será adotada pelos líderes mundiais na Cúpula de Chefes de Estado e Governo, que ocorrerá antes da abertura da Assembleia Geral da ONU, em setembro. A expectativa da sociedade civil é que a criação da comissão seja anunciada pela presidenta Dilma Rousseff no discurso de abertura da assembleia.

Representantes de organizações da sociedade civil de todo o país reúnem-se para dar continuidade ao debate sobre governança, implementação e monitoramento da Agenda Pós-2015Fonte: Elza Fiúza/Agência Brasil
Representantes de organizações da sociedade civil de todo o país reúnem-se para dar continuidade ao debate sobre governança, implementação e monitoramento da Agenda Pós-2015Fonte: Elza Fiúza/Agência Brasil

Para a representante da ONG Mirim Brasil, Sylvia Siqueira Campos, a primeira tarefa para o país é ver o que os ODS estão trazendo em termos de objetivos e metas e comparar com o que já está previsto nos planos plurianuais. “Os ODS são algo que vamos ter de redirecionar. Isso vai qualificar o tipo de investimento e o tipo de esforço que vamos empreender. A questão concreta é fazer uma revisão dos planos à luz dos ODS”, afirmou.

Alessandra Nilo acrescentou que é “extremamente importante” divulgar para a sociedade civil a existência da agenda e, ao mesmo tempo, estabelecer diálogos com os gestores locais. Segundo ela, as organizações já estão se antecipando para mobilizar os candidatos das eleições municipais de 2016 para assinatura de uma carta de adesão aos ODS e o comprometimento com a implementação da agenda nos municípios.

“O revolucionário nos ODS é que não há solução para os problemas isoladamente”, informou Alessandra, destacando que os governos precisam se articular nas três esferas e em todas as áreas. “Não se resolve a questão previdenciária sem a tributária. Os processos de educação estão ligados com prevenção da saúde.”
Uma das questões de grande discussão durante a construção dos ODS foi o financiamento para o desenvolvimento. Alessandra esclareceu que não foram apontadas novas fontes de recursos pelos países. “Mas se abriu a possibilidade para algumas ações de nível nacional, por exemplo, como a taxação progressiva, em vez de uma taxação regressiva. Outro aspecto que precisamos garantir é que o sistema financeiro seja convidado a contribuir e pagar sua conta”, disse a diretora da Abong.

De acordo com a diretora, se pensarmos que as transações de câmbio movimentam US$ 4 trilhões por dia, “com uma pequena taxação que pudesse ser usada para o desenvolvimento sustentável, teríamos um volume de recursos muito grande”.

O processo de construção dos ODS começou com a Conferência Rio+20 e teve participação de 193 países. São 17 objetivos, com 169 metas universais para países desenvolvidos e em desenvolvimento. A negociação da nova agenda é considerada inovadora no âmbito da ONU, porque, diferentemente dos ODM, os ODS foram elaborados com participação direta dos estados-membros e da sociedade civil e nasceram a partir de amplas consultas no mundo todo.

Entre as propostas estão erradicar a fome e a pobreza, promover a agricultura sustentável, saúde, educação e igualdade de gênero, além de garantir o acesso à água, ao saneamento e à energia sustentável para todos, o crescimento econômico, emprego, a industrialização, cidades sustentáveis e a redução da desigualdade. Também sugerem a mudança de padrões de consumo e produção, a conservação e usos sustentáveis dos ecossistemas marinho e terrestre e a construção de sociedades pacíficas e justas.

Edição: Armando Cardoso

 

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-09/ongs-cobram-criacao-de-comissao-para-agenda-de-desenvolvimento-da-onu-no

Construção coletiva do Dia Global Action/2015

action2015

No dia 24 de setembro, quinta-feira, ocorrerá em todo o mundo o Dia global Action/2015.

A Action/2015 é uma campanha global da sociedade civil que tem como objetivo aumentar a visibilidade do publico em geral sobre o início da Cúpula da ONU para definir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a agenda de desenvolvimento mundial até 2030.

Em diferentes partes do mundo a sociedade civil organizada fará ações que chamem a atenção para a relevância dos ODS ao mundo e demonstrem a importância de levar esse debate aos países para assegurar que em 15 anos sejamos capazes de enfrentar a desigualdade, assegurar os direitos humanos e respeitar os limites do planeta na construção de um novo paradigma de desenvolvimento.

Em São Paulo teremos uma mobilização no Largo da Batata no final da tarde do dia 24 de setembro para conscientizar a população sobre a agenda Pós 2015.

Acompanhe as notícias pela ARZB e participe!