Livro ensina crianças a produzir menos lixo e descartá-lo corretamente

Em ‘Eu Produzo Menos Lixo’, bióloga Cristina Santos faz um alerta ecológico e orienta como reduzir o impacto do nosso consumo no meio ambiente.
por Redação RBA

62b3b061-7f29-41c6-9b93-32ea9a6dabc4São Paulo – “A cada dia, produzimos algum tipo de lixo. Todas as coisas que compramos, depois de certo tempo, ficam velhas, fora de moda ou param de funcionar. Então, jogamos fora aquilo que um dia foi útil para nós.” É assim que a bióloga e pesquisadora Cristina Santos abre o livro Eu Produzo Menos Lixo (Cortez Editora, 40 págs.).

A autora contextualiza a produção de lixo desde a pré-história para demonstrar como as mudanças no estilo de vida das pessoas têm causado impacto na sociedade e, especialmente, no meio ambiente. O objetivo é ajudar a desenvolver a conscientização entre as crianças, público que já acompanha os pais ao supermercado e que, desde cedo, tem grande poder de persuasão nas decisões de compra de adultos.

Ilustrado pela holandesa Freekje Veld, o livro mostra como novos hábitos de consumo estão promovendo o esgotamento de recursos naturais fundamentais para nossa sobrevivência. Para facilitar a compreensão, a obra é cheia de exemplos e de desenhos feitos a partir de colagens, que dão um toque lúdico ao conteúdo. “As fraldas de tecido foram substituídas pelas descartáveis. Durante seu primeiro ano de vida, cada bebê usa 1.500 fraldas! Alimentos de todos os tipos são encontrados prontos para serem consumidos em potes de vidro, latas e caixas de plástico ou de papel. O suco, que era feito em casa, agora é comercializado dentro de uma caixa pronto para beber. As bonecas eram confeccionadas de tecido e os carrinhos eram feitos de madeira, mas, com o tempo, o plástico substituiu esses materiais e ainda permitiu uma grande diversificação de brinquedos. Não havia computadores, tablets e celulares, mas hoje eles são comprados aos milhares, diariamente. E também são jogados no lixo aos milhares, diariamente.”

Para onde o lixo é levado? Quais são os riscos que os lixões trazem às pessoas e ao meio ambiente? O que acontece quando o lixo é jogado no chão ou deixado na praia? Depois de explicar sobre os problemas que o lixo traz à natureza, Cristina ensina como cada um pode fazer sua parte para reduzir o impacto: “Uma boa maneira de mudar a história até agora contada é separar os resíduos sólidos que embalam alimentos, bebidas, produtos de limpeza e higiene para que possam ser reciclados. O processo da reciclagem transforma todos esses materiais para serem reutilizados por todos”.

A autora também explica o que deve ser feito com medicamentos que passaram do prazo de validade ou que não serão mais utilizados, lâmpadas fluorescentes que não funcionam mais, pilhas, óleo de cozinha usado, eletrodomésticos e aparelhos eletrônicos. Os ensinamentos servem especialmente para crianças, mas não apenas. Ele também pode ser útil e esclarecedor para os adultos que ainda não dão tratramento correto ao lixo.

Eu Produzo Menos Lixo
Autora: Cristina Santos
Ilustradora: Freekje Veld
Editora: Cortez
Páginas: 40
Ano: 2015
Preço sugerido: R$ 34

Oceanos recebem 8 milhões de toneladas de plástico por ano

Um estudo publicado na revista Science revelou que os oceanos recebem, a cada ano, 8 milhões de toneladas de lixo plástico. “Isso equivale a cinco bolsas de compras cheias de sacos plásticos a cada 30 centímetros no litoral dos 192 países analisados”, disse, em entrevista coletiva, Jenna Jambeck, professora de engenharia ambiental da Universidade da Geórgia, que liderou o estudo.

O levantamento analisou dados de resíduos sólidos recolhidos em 192 países em 2010. Antes deste estudo, a última estimativa sobre lixo plástico nos oceanos foi em 1975.

Os resultados indicam que, das 275 milhões de toneladas de resíduos plásticos gerados em 2010, entre 4,8 e 12,7 milhões chegaram aos oceanos no mesmo ano. A China é o país que mais descarta lixo plástico nesses ambientes, são quase nove milhões de toneladas por ano. A Indonésia aparece em segundo lugar, o Brasil é o 16º e os Estados Unidos aparecem na 20ª posição.

A quantidade de resíduos plásticos nos mares vem aumentando a cada ano. De acordo com as projeções do estudo, em 2015 os oceanos receberão cerca de 9,1 milhões de toneladas de plástico.

A equipe de pesquisadores alertou que, caso providências não sejam tomadas, como a diminuição da produção de lixo, a melhora da gestão de resíduos e a ampliação dos sistemas de reciclagem de plástico, esta quantidade poderá ter um impacto acumulativo de até 155 milhões de toneladas em 2025.

Além da ação do poder público, cada cidadão também tem responsabilidade na reversão deste prognóstico sombrio para nossos mares.