Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP cria Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos

Local servirá de aprendizadCentro valorização eacho para população e estudiosos da área de sustentabilidade

Em processo de instalação, o Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, é o novo projeto coordenado por Ednilson Viana, iniciado por ele com base na colaboração de alunos, e depois com a participação das professoras Silvana Godoy e Sylmara Dias. O projeto, ainda em fase inicial, tem como intenção dar destaque à importância da gestão de resíduos orgânicos no ambiente urbano, e aproximar o gerador de pequeno e médio porte das possibilidades de gestão demonstrando na prática como funcionam.

O pesquisador questiona a dificuldade de realizar uma gestão completa dos resíduos orgânicos em uma cidade como São Paulo, principalmente contando com questões como a malha viária da cidade, e seu trânsito caótico, e por isso vê importância em construir uma cultura de gestão em pequena escala, com eficácia e reduzindo assim o desperdício de resíduos que, por meio de processos biológicos podem ser utilizados para várias finalidades.

No Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos, a ideia é mostrar a prática das metodologias de gestão desse tipo de resíduo, para que sirva de exemplo tanto para a população quanto para se tornar em um ambiente de pesquisa na área. “A intenção é mostrar o biodigestor, compostagem, minhocário, e o produto dessa valorização: o composto orgânico, o húmus do minhocário, e também mostrar a produção de gases do biodigestor, ou seja, colocar as fontes geradoras em contato com essas metodologias”, diz Ednilson. Ele explica que o biodigestor produz, através da digestão anaeróbica (processo em ausência de oxigênio, no qual as reações químicas têm origens biológicas, por meio de bactérias) o biogás, que é composto por Metano (CH4) e Gás Carbônico (CO2), e que tem finalidades como a queima para fogões, geração de energia elétrica ou gás veicular – tudo dependendo da quantidade de gás que o sistema é capaz de produzir.

Um dos planos para o Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos da EACH é colocar uma pequena usina de produção de energia elétrica, para a visualização do sistema em produção. Além disso, o grupo montará hortas verticais no Centro para proporcionar a visualização para pessoas que não têm espaço para um jardim em suas casas, assim como plantas ornamentais em canteiros no chão. Essas plantas serão cultivadas com e sem a utilização do composto produzido no local para que os resultados sejam comparados.

O tema tem sido discutido na gestão atual da prefeitura de São Paulo e foi incluído no Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Cidade de SP de 2014, que a partir da página 114, discorre sobre o problema dos resíduos orgânicos em sua amplitude. De acordo com o documento, que cita e encoraja iniciativas de aproveitamento de resíduos orgânicos em pequena escala em um dos seus itens, é estimado que no Brasil são desperdiçadas 39 mil toneladas de alimentos, entre sua colheita (8%), indústria (15%) e consumidor (20%). Já na cidade de São Paulo, das 12,3 toneladas* de lixo que é recolhido diariamente em residências e estabelecimentos comerciais e públicos, 51%, ou seja, 6,3 mil toneladas, são de resíduos orgânicos. Além disso, outra informação trazida pelo mesmo documento, é que os resíduos orgânicos coletados e dispostos em aterros são responsáveis pela geração de 14% de todo o gás de efeito estufa emitido em São Paulo.

Também no sentido de aproximar o gerador de resíduos de sua gestão, há outro projeto relacionado com o Centro de Valorização da EACH, idealizado pela aluna de mestrado Sulamita França, que é a materialização das informações de gestão produzidas no Centro de Valorização da EACH, em um manual impresso e eletrônico. Este manual terá a função de ser uma ferramenta pensada para facilitar a procura por informação de gestão dos resíduos orgânicos produzidos nas residências e estabelecimentos da cidade de São Paulo.

 

Por Carolina Venciguerra Monteiro

Fonte: http://www.usp.br/aun/exibir.php?id=7301 

 

*12,3 mil toneladas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.