Mesoamérica, un nicho de conflictos, luchas y esperanzas

Por Magdalena Donoso

Cuestiones tan fundamentales como aire limpio, derechos humanos y trabajo digno se contraponen en Mesoamérica cuando enfrentados a los residuos. En la región se concentran decenas de propuestas de incineración de residuos domiciliarios—un proceso que contamina y hace daño al clima y a la salud — tanto en instalaciones que pretenden construirse como en cementeras en busca de residuos para uso como combustible. Al mismo tiempo, son decenas de comunidades las que se organizan para buscar soluciones y caminos alternativos que conduzcan a una nueva relación con los residuos, más respetuosa y justa con el medio ambiente y con las personas.

Con una generación de residuos anual que supera las 160 millones de toneladas, América Latina enfrenta con una urgencia nunca antes vista la problemática producida por la indiscriminada generación de residuos. En el caso de Mesoamérica, palpitan con fuerza diversos movimientos inspiradores que, junto con enfrentar conflictos socioambientales relacionados con la gestión de los residuos que arriesgan su entorno y su salud, se organizan y movilizan en la búsqueda activa de soluciones. Una diversidad de iniciativas se está llevando a cabo a nivel de barrios, comunidades, nacional y regional, bajo los principios de participación, recuperación, rediseño y compostaje. Estas entran con fuerza en el escenario en contraposición a las grandes corporaciones que pretenden imponer sus modelos de “manejo de los residuos” contaminante y derrochador. ¿La fórmula? Incinerarlo todo, “destruirlo” o hacerlo “desaparecer” por arte de magia, magia que no es más que quemar o enterrar. “Desaparecer” es, en realidad, una forma amigable de explicar el proceso de convertir los residuos en contaminación como carbón y metano, tóxicos como dioxinas y plomo, y ceniza que terminan en vertederos.

Brisa Carrasco/ Reunión contra la Incineración y por Programas de Basura Cero en El Salvador.
Brisa Carrasco/ Reunión contra la Incineración y por Programas de Basura Cero en El Salvador.

Para contraponer esas fuerzas se hacen necesarias articulaciones amplias, a nivel nacional e internacional, que contribuyan a encontrar soluciones informadas. Fue el caso de los casi 40 convocados por Cesta Amigos de la Tierra El Salvador y GAIA en junio pasado en El Salvador. En un encuentro mesoamericano sin precedentes, los grupos presentes –con representantes de El Salvador, Costa Rica, Puerto Rico, México, Nicaragua y Panamá, se trazaron importantes objetivos, expresados en una sólida Declaración. Entre ellos, animar a los municipios a la gestión sustentable y eficiente de desechos y residuos, fortalecer los principios de basura cero, apoyar a los recicladores de base, y manifestar su apoyo solidario con los grupos reprimidos por la causa.

Las fuerzas contrapuestas de Nicaragua

En Nicaragua existe una vibrante comunidad de recicladores organizada en la Red de Emprendedores Nicaraguenses del Reciclaje RedNICA, que agremia a más de 4 mil recicladores. El reciclaje ahorra entre 3 y 5 veces la energía que la incineración pretende producir y protege el aire, la justicia, y el clima al mismo tiempo. Esta Red, que a su vez es parte de la Red Latinoamericana de Recicladores, señala que “los US$ 46 millones que genera el reciclaje al país no lo mueven las empresas, sino los recicladores”. Junto con ello, en el país hay pilotajes en lugares que están creando modelos propios que innoven el manejo de residuos. Es el caso de

l municipio de Ciudad Sandino, en el departamento de Managua. Allí, con aportes de la Unión Europea, y bajo la coordinación de la Fundación Italiana COSPE, se ha desarrollado la iniciativa “Fortalecimiento institucional de la Alcaldía Municipal de Ciudad Sandino en la Gestión Integral de los Residuo Sólidos”, que contempla el equipamiento, capacitación del personal en la buena gestión de los Residuos Sólidos Urbanos, reorganización del personal con una visión integral orientada a la recolección diferenciada, e incorporación de la población recicladora.

En este escenario promisorio en cuanto a actores, iniciativas y movimiento económico en torno al reciclaje, es difícil comprender por qué el país considera la opción de aceptar la absurda oferta de construir doce, sí, ¡doce! incineradoras de residuos en el país. Han sido los mismos recicladores, en conjunto con otras organizaciones sociales, quienes han hecho frente a estos planes.

Costa Rica: Hacia Basura Cero

Marlen Chacón : En Costa Rica, Jornada de Protesta contra la Incineración frente a Casa Presidencial.
Marlen Chacón : En Costa Rica, Jornada de Protesta contra la Incineración frente a Casa Presidencial.

Más al sur, Costa Rica vive una situación similar con propuestas de al menos tres incineradoras que viene de la mano de una enorme presión de Municipios entusiasmados con la idea. En ese país, presionado por la movilización ciudadana encarnada en la agrupación Hacia Basura Cero Costa Rica, el Ministerio de Salud declaró una moratoria que prohibía la incineración mientras no se comprobara que era una tecnología que no dañaba la salud de las personas. El lobby para bajar dicha moratoria fue enorme. Una Carta enviada al Presidente de la República en julio pasado y titulada “No a la incineración y tecnologías similares, por una estrategia Hacia Basura cero”, redactada por el movimiento mencionado, fue suscrita por más de mil personas y organizaciones, se hicieron conferencias de prensa y se organizaron diálogos y foros. Pero la presión llevó al Presidente del país a firmar el decreto que regula la incineración en el país. Con esta acción, Solís incumplió lo dicho en su propio Pacto Ambiental: “desestimar cualquier forma de transformación térmica y de residuos en el país hasta tanto no se demuestre su inocuidad para la salud pública y no se haya logrado establecer a nivel nacional (…) una cultura hacia el rechazo en el consumo, reducción, reutilización y separación de residuos valorizables como hábito social”. La parte buena de la historia es que al mismo tiempo catalizó una fuerza ciudadana diversa y comprometida que ya está dando claras señales respecto del camino que la comunidad quiere trazar, versus la que la industria de la incineración quiere imponer.

México y la amenaza de las cementeras

Irónicamente, bajo la campaña “Limpiemos nuestro México 2015” autoridades de México anunciaron hace unos meses la promoción de “la generación de energía por medio de la basura como una manera de incorporar ésta a la cadena productiva del país”. Lo que hay detrás es el aumento de las prácticas de incineración de residuos en hornos cementeros.

Taller Basura cero en Apaxco, Estado de México. Tomada por Angélica Torres López del Movimiento Ambientalista ProSalud Apaxco-Atotonilco
Taller Basura cero en Apaxco, Estado de México. Tomada por Angélica Torres López del Movimiento Ambientalista ProSalud Apaxco-Atotonilco

La incineración de residuos en cemento pasa con frecuencia sin regulación ni declaración, y puede causar graves problemas de salud en las comunidades vecinas. A menudo, hornos de cemento son situados cerca de las tierras indígenas y las comunidade rurales o empobrecidas.

A la cuestionada quema que todos conocemos de residuos peligrosos, llantas, etc. en estas plantas, se suma lo que viene denunciando el Frente de Comunidades en Contra de la Incineración hace mucho tiempo. El organismo, con miembros en 5 Estados, ve con preocupación la insistencia tanto de la empresa cementera “Sociedad Cooperativa Cruz Azul” como del gobierno del Estado de Morelos de firmar un convenio para enviar a sus hornos aproximadamente mil toneladas diarias de Residuos Sólidos Urbanos (RSU) para convertirse en Combustible Derivado de Residuos (CDR) el que será incinerado en la planta que esta empresa tiene en el municipio de Tula, Hidalgo.

Estas instancias ciudadanas han generado una resistencia positiva en la defensa del territorio, y se han convertido en referentes que han posicionado el tema en los medios de comunicación, incluso deteniendo de manera temporal la incineración de residuos. A estas acciones se ha sumado la construcción de articulaciones y fondos para el desarrollo de estrategias de difusión, educación e incidencia a través de talleres, asambleas y foros. Cuando enfrentados al poder de las grandes corporaciones, no deja de sorprender la fuerza de las acciones comunitarias, capaces de traspasar límites insospechados si se trata de proteger la salud y la vida de los suyos, la tierra y el aire.

Fonte: http://zerowasteworld.org/systems-change/people-power/mesoamerica/#sthash.bWolGNn7.dpuf

Reciclando madeira, cimento e vidas

“Tenho muito orgulho e prazer de estar aqui, hoje, à frente desse trabalho. Porque são poucos os que escapam de onde eu e muitos daqui passamos. Meu nome é Fernando Figueiredo. Sou um ex-presidiário.” É com franqueza que o fundador da Cooperativa Sonho de Liberdade, na árida e carente Cidade Estrutural (DF), dá as boas-vindas a um grupo de comunicadores de vários estados brasileiros em visita ao empreendimento social, durante o último dia do 9º Encontro de Jornalistas da Fundação Banco do Brasil, realizado em agosto, em Brasília.fernando-figueiredo-cooperativa
O orgulho e o prazer do brasiliense Figueiredo, 43 anos, seis deles passados na prisão, justificam-se. Afinal, foi ali, na chácara outrora usada para atividades ligadas à criminalidade, que ele conseguiu, por meio do trabalho dignificante, escrever um novo começo de vida para si e para muitos outros ex-detentos do Sistema Penitenciário do Distrito Federal.
Na cooperativa que funciona colada ao maior lixão a céu aberto da América Latina, o “Lixão da Estrutural”, a apenas 15 quilômetros do centro da capital federal, Figueiredo e seus colegas cooperados dão exemplo de sustentabilidade e superação reciclando madeira, cimento, atitudes e sonhos.
Inclusão pelo trabalho
O ex-catador de lixo que entrou para o mundo do crime aos 13 anos conta à plateia de jornalistas que ao chegar à prisão, condenado por assalto e roubo de carro, não conseguia ver boas perspectivas. “Pensei: acabou. Vou ficar velho e, quando sair daqui, o que vai ser? Nunca imaginei o que está acontecendo hoje.”
A guinada na desesperançosa história começou quando ele se integrou ao projeto Pintando Liberdade, desenvolvido pelo Ministério dos Esportes, que ensinava aos internos da Papuda a confecção manual de bolas esportivas. Nas saídas quinzenais as quais tinha direito, Figueiredo vendia na rua, de porta em porta, parte do que era produzido.
Já com acesso ao regime de progressão de pena, ele criou um projeto de inclusão dirigido a egressos do sistema penitenciário, no intuito de apoiar essas pessoas que, a exemplo do que ele passou, costumam enfrentar dificuldades na reintegração aos mundos social e do trabalho, principalmente em razão do preconceito.
O grupo se instalou em 2005 na Estrutural, com o foco de trabalho ainda na produção artesanal de bolas e, em 2007, diante da dificuldade em concorrer com produtos chineses e coreanos, decidiu apostar em uma nova oportunidade de negócios que transitava bem em frente aos olhos. “Nós vimos os caminhões passando na nossa porta, indo despejar entulho de obra no Lixão, e percebemos que a madeira que ia para lá era muito rica”, diz Figueiredo.
Ele conta que pediu então aos motoristas dos caminhões que começassem a descarregar o material no terreno do grupo. “A partir daí, começamos a separar madeira e fazer piquete, estaca, madeira sob medida para a Construção Civil. Não paramos mais. Fomos desenvolvendo produtos e inovando.”
Em 2009, o grupo conseguiu formalizar a cooperativa, mas não sem antes enfrentar a recorrente barreira da discriminação. “Éramos um grupo de ex-presidiários, ninguém com o nome limpo que pudesse abrir um CNPJ. Todo mundo dizia que não queria se envolver ‘porque ia dar formação de quadrilha’”, lembra. “Juiz dizia que não ia dar certo, assistente social não queria dar carta de emprego, só Deus sabe o que nós passamos e o que nós enfrentamos até hoje por conta do preconceito”, diz o fundador do empreendimento, com a voz apertada pela emoção.
Foi o cunhado de Figueiredo, Geraldo Almeida, que acreditou no grupo e deu o aval que faltava. “Somos muito gratos a ele, porque foi quem nos emprestou o nome, quem teve a coragem de confiar, e continua nos ajudando”, afirma.
Projeto consolidado, eles têm hoje o apoio de algumas instituições parceiras, como a Fundação Banco do Brasil, que realizou investimento social de R$ 215 mil na cooperativa para a compra de equipamentos e ferramentas para a produção de móveis e na aquisição de um veículo utilitário para a coleta desses materiais.
Baixa reincidência
Das 100 pessoas que trabalham diretamente na Sonho de Liberdade – indiretamente são 500 envolvidas –, 30 ainda cumprem pena e 15 são ex-detentos. “Muita gente pede emprego aqui, mas nós priorizamos quem estava preso”, diz Figueiredo. O empreendimento social também emprega familiares dessas pessoas, assim como moradores da comunidade em situação de risco de exclusão.
A taxa de reincidência criminal entre os que passam pela cooperativa é pequena, em torno de 2 por cento, afirma Figueiredo. “A gente prega muito firme que o crime e a droga não compensam. A maioria já cansou de sofrer.”
Os cooperados reciclam 100 toneladas de madeira por dia, a maior parte resíduos da construção civil. “Poderia ser mais, porque muita madeira ainda passa batida para dentro do aterro”, ressalta o fundador da cooperativa.
De toda a madeira manipulada, a parte que eles não conseguem aproveitar em uma ampla gama de produtos artesanais e na confecção de móveis sustentáveis é vendida em forma de biomassa para ser usada como combustível em uma multinacional do ramo de alimentos. Além de madeira, a Cooperativa também recicla sobras de cimento usinado e com esse material produz meios-fios e bloquetes para piso.
Segundo Figueiredo, o lucro da cooperativa é de R$ 100 mil por mês. Já foi o dobro, na época da Copa do Mundo do Brasil, com as obras do Estádio Nacional, do VLT e no Aeroporto em andamento. Ele diz que todo o valor é dividido entre os cooperados, conforme a função e a produção de cada um. “Hoje não está sobrando nada para a cooperativa. Nosso maior lucro é ter as pessoas bem”. Ele se orgulha de a instituição, mesmo em ano de crise, não ter dispensado nenhum trabalhador.
De cabeça erguida
Na lista de desafios e de novos sonhos da Cooperativa, hoje presidida pela filha de Figueiredo, Rafaela, está a construção de uma creche e de um restaurante para os trabalhadores. “Hoje temos uma pequena lanchonete que não é suficiente para se fazer um alimento de qualidade para esse pessoal ter força para trabalhar. Aqui o serviço é pesado. Uma pedra de meio-fio pesa 100 quilos”. Ele diz que o empreendimento também precisa de mais máquinas e caminhões para coletar e transportar o material.
“Precisamos de financiamento, porque se gasta muito com esses equipamentos, e vejo que só quem tem acesso ao crédito são os empresários em quem o BNDES e o FCO [Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste] confiam. Nem todo mundo acredita em nós. A gente precisa é de um voto de confiança. Se sem ter dinheiro a gente está conseguindo tocar isto aqui, imagina se a gente tivesse?”, questiona.
Ele ressalta que a cooperativa também precisa de mais capacitação e de assistência aos familiares. “Queira ou não queira, a família desestrutura e sofre muita discriminação quando o seu ente querido está dentro do sistema penitenciário.”
Aos visitantes atentos à história de superação, Figueiredo finaliza dizendo da satisfação em ver seus colegas e amigos mudando de vida. “Meu maior troféu é ver esses homens voltando para as suas famílias. Dizendo ‘hoje eu sou um cidadão’, podendo entrar e sair de qualquer lugar de cabeça erguida.”

Andrés Gianni | ECO Brasília

 

Fonte: http://www.easycoop.com.br/Noticias/View.aspx?IDC=187985&ID=31257

Reduzir consumo de carne vermelha é mais efetivo contra gases-estufa do que deixar de andar de carro, dizem especialistas

Você já pensou em deixar de comer carne? Ou pelo menos em diminuir a ingestão?

Consumidores conscientes são aqueles que se preocupam se seus alimentos tiveram uma produção limpa, causando o mínimo de impacto ao meio ambiente – é o caso de muitos dos nossos leitores. Você já colocou a mão na consciência e pensou a respeito do hambúrguer ou do bife que você come todo dia no almoço? Além da carne vermelha não fazer muito bem à saúde, há problemas ambientais importantes envolvidos; mas antes, vamos entender o ciclo de vida do produto.

consumo de carne e aquecimento global

Ciclo de vida

A metodologia que define o perfil ambiental de um produto ou processo é aAvaliação de Ciclo de Vida (ACV), que compreende quais danos ou benefícios os produtos trazem ao meio ambiente, desde a fabricação até o descarte.

Por meio dessa avaliação, é possível calcular a pegada de carbono – quantidade total de emissões de gases do efeito estufa em diversas áreas – dos alimentos, que é expressa em gramas ou toneladas de CO2eq (dióxido de carbono equivalente) por unidade funcional.

O impacto da carne bovina ao meio ambiente é muito maior do que o das carnes de frango e de porco, utilizando 28 vezes mais terra e 11 vezes mais água do que estas variedades. “Comer menos carne vermelha reduziria mais a pegada de carbono do que desistir de se locomover de carro”, diz o especialista Gidon Eshel, que liderou uma importante pesquisa da Universidade de Yale sobre o tema.

As grandes quantidades de grãos e água necessárias para a criação de gado são problemáticas, ainda mais com as preocupações de alimentar um extra de dois bilhões de pessoas que devem fazer parte da população mundial até 2050.

Controvérsias

Diminuir o consumo de carne, como sugere Eshel, a fim de ajudar o meio ambiente ou preservar os estoques de grãos tem sido um argumento altamente controverso.

A questão é: quão grave é o impacto da carne se comparada a outros produtos?

“O corte de subsídios para a produção de carne seria a forma menos controversa para reduzir o seu consumo”, diz Eshel.

A equipe da pesquisa analisou a quantidade de terra, água e fertilizantes nitrogenados necessária para expandir a produção de carne e comparou com a de aves, porcos, ovos e laticínios. Concluiu-se que a carne teve um impacto muito maior do que todos os outros, pois como ruminantes, os bovinos não fazem uso eficiente de seu alimento, desperdiçando energia. Entre 2% a 12% da energia bruta consumida pelo animal é desperdiçada na produção e eliminação do gás metano.

“Apenas uma fração dos alimentos consumidos pelo gado passa à corrente sanguínea, de forma que parte da energia é perdida”, disse Eshel.

A alimentação do gado com grãos em vez da grama agrava essa ineficiência, apesar de Eshel apontar que mesmo o gado alimentado com grama ainda apresenta maior pegada ambiental que outros produtos de origem animal.

Tim Benton, professor da Universidade de Leeds, no Reino Unido, adverte que este trabalho é baseado em dados nacionais dos EUA, captando um panorama muito mais completo do que estudos feitos em fazendas específicas. Ele acrescenta que a pecuária é a chave para a sustentabilidade da produção de alimentos global, pois “a maior medida que as pessoas poderiam fazer para reduzir as pegadas de carbono não seria abandonar seus carros, mas passar a comer significativamente menos carne”.

Segundo Mark Sutton, professor da Centro para a Ecologia e Hidrologia do Reino Unido, ”os governos devem considerar este estudo cuidadosamente caso queiram melhorar a eficiência global da produção e reduzir os impactos ambientais. Para os consumidores, a mensagem é: evitar o consumo de carne vermelha em excesso é bom para o meio ambiente.”

Fonte: Yale School of Forestry and Environmental Studies and partners

http://www.ecycle.com.br/component/content/article/62-alimentos/3614-reduzir-diminuir-pegada-carbono-carne-vermelha-bovina-gado-consumo-alimentos-producao-fabricacao-agricultura-limpa-impacto-ambiental-meio-ambiente-emissoes-avaliacao-ciclo-vida-descarte-gases-gas-efeito-estufa-aquecimento-global-terra-agua-danos-beneficio.html?utm_source=eCycle&utm_campaign=78a3c4e760-Newsletter_162_14_09_2015&utm_medium=email&utm_term=0_ca1df616f8-78a3c4e760-150612333http://www.ecycle.com.br/component/content/article/62-alimentos/3614-reduzir-diminuir-pegada-carbono-carne-vermelha-bovina-gado-consumo-alimentos-producao-fabricacao-agricultura-limpa-impacto-ambiental-meio-ambiente-emissoes-avaliacao-ciclo-vida-descarte-gases-gas-efeito-estufa-aquecimento-global-terra-agua-danos-beneficio.html?utm_source=eCycle&utm_campaign=78a3c4e760-Newsletter_162_14_09_2015&utm_medium=email&utm_term=0_ca1df616f8-78a3c4e760-150612333

Seminário “Da Educação Ambiental Escolar à Cidade Educadora”

Seminario de Educacao Integral do Carta da Terra A4 QR Code

 

No dia 18 de setembro o Programa Carta da Terra em Ação convida à pensar a construção de uma cidade educadora através de importantes iniciativas de escolas municipais.
As Diretorias Regionais de Ensino Jaçanã/Tremembé e Penha estarão no centro da discussão e virão mostrar como as ações de educação ambiental são importantes estratégias neste sentido. Será um dia para trocar experiências que promovem a integração escola-comunidade através de temas pertinente à educação ambiental, fazendo emergir destas ações o repensar de práticas escolares.

O objetivo do seminário é fortalecer iniciativas desenvolvidas por escolas destes territórios no âmbito da educação ambiental, acreditando que as trocas fortalecem seu papel fundamental na construção de uma cidade educadora e sustentável.

Entendemos que para irmos destas ações fundamentais, mas ainda pontuais da escola, para uma transformação do modelo escolar, de forma que isso transborde à uma cidade educadora, vão muitos passos, porém conheceremos aqui como dar o primeiro passo e as muitas possibilidades que se abrem com ele. Nesta discussão, a presença daqueles que pretendem a transformação da nossa cidade para um ambiente mais justo e equilibrado é fundamental.

Seminário “Da Educação Ambiental Escolar à Cidade Educadora ”

PROGRAMAÇÃO


9h-9h30 Auditório 2

Abertura: da Educação Ambiental escolar à cidade Educadora – a proposta

Mônica Borba – Diretora DEA/Umapaz
Débora Pontalti e Lia Salomão – Coordenadoras do Programa Carta da Terra em Ação

9h30-10h30 Auditório 2

Palestra: A escola na cidade educadora

Em uma fala introdutória e provocativa, a palestrante trará a discussão da importância de ações transformadoras na unidade escolar e como irmos destas ações fundamentais para o repensar do modelo escolar de forma que isso transborde à uma cidade educadora.

Palestrante: Sonia Maria Portella Kruppa

Professora e pesquisadora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP). Foi professora da Educação Básica em escolas públicas municipais e estaduais e coordena, atualmente, pesquisa internacional sobre Avaliação Educacional. Graduada em Ciências sociais e pedagogia, possui mestrado e doutorado em Educação.
10h30-12h Auditório 2
Debate – Ações que transformam: Escolas como espaços educadores sustentáveis

Com a mediação de Agda Sardenberg (coordenadora executiva da Associação Cidade Escola Aprendiz, especialista em psicologia escolar), esta mesa pretende trazer como as Diretorias de Ensino da Penha e Jaçana/Tremembé tem incentivado ações estratégicas nas escolas com o intuito de transformá-las em espaços educadores sustentáveis. A frente da questão ambiental nesses territórios, as especialistas Mirtes e Shirley fomentarão o debate a partir de estudos de casos reais e que aproximam cidade e território, educação e meio ambiente.

 

12h-14h Auditório 3 (Assinale no formulário a atividade/horário que deseja participar)

Café com Prosa: espaço de experiências

Espaço destinado a exposição e troca de experiências de escolas da DRE Penha e Jaçanã/tremembé que através do fomento a atividades de educação ambiental e da construção de espaços educadores sustentáveis nas escolas, tem impulsionado a cidade educadora em seus territórios.
12h-14h Sala 4 (Assinale no formulário a atividade/horário que deseja participar)

Bate papo com alunos

Através da apresentação de pequenos vídeos, alunos de EMEFs das duas Diretorias Regionais de Ensino convidadas irão mostrar as ações que estão acontecendo nas unidades escolares nas temáticas: àgua, resíduo, Para viver de bem com os bichos, horta e alimentação e estudo do meio; abrindo a debate sobre como os projetos dialogam com a cidade educadora.
Data: 18 de setembro de 2015 (sexta-feira), das 9h às 14h
Local: Av. Quarto Centenário, 1268 – Parque Ibirapuera, Portão 7A – São Paulo, SP
Vaga: 30 pessoas

Para se inscrever, clique aqui!
Dúvidas e sugestões, por favor, escreva para cartadaterra@prefeitura.sp.gov.br
Entrada franca.

Veja como se formaram as ilhas de lixo do oceano nos últimos 35 anos

ilhas de lixo

Os oceanos estão repletos de belezas naturais, criaturas que parecem ter vindo de outro planeta e… toneladas de lixo. Na verdade, há tanto lixo que grandes depósitos da nossa sujeira se formaram no oceano.

Uma visualização fascinante produzida pela NASA mostra a evolução de cinco ilhas de lixo. Você pode ver o fluxo das águas causar a movimentação natural dos resíduos, um se juntando ao outro, conforme eles estacionam em diferentes partes do mundo.

A NASA explica:

Começamos com dados de boias flutuantes específicas que a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) vem distribuindo nos oceanos nos últimos 35 anos, representados na imagem como pequenos pontos brancos. Vamos acelerar o tempo para ver o destino destas boias…

…Se deixarmos todas as boias flutuarem ao mesmo tempo, podemos observar padrões de migração. O número de boias diminui porque algumas não duram tanto quanto as outras. Elas migram para as cinco ilhas de lixo conhecidas.

 

Fonte: http://gizmodo.uol.com.br/como-se-formaram-as-ilhas-de-lixo/

A compostagem domiciliar como instrumento de política pública em São Paulo

minhoca_rio

Dan Moche SchneiderCláudio Spínola e Guilherme Turri

“Utopía […] ella está en el horizonte. Me acerco dos pasos, ella se aleja dos pasos. Camino diez pasos y el horizonte se corre diez pasos más allá. Por mucho que yo camine, nunca la alcanzaré. Para qué sirve la utopía? Para eso sirve: para caminar”

Eduardo Galeano

A compostagem domiciliar passou a ser objeto de política pública de São Paulo a partir do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da cidade de São Paulo – PGIRS[1], publicado em 2014.  Nesse mesmo ano foram distribuídas composteiras a dois mil domicílios. Os primeiros resultados são surpreendentes!

ANTECEDENTES

Em 2013, três anos depois da publicação da Política Nacional de Resíduos sólidos quase que todos resíduos sólidos coletados pela prefeitura eram destinados aos dois aterros sanitários existentes. Mas nem sempre os aterros foram a principal destinação dos resíduos em São Paulo.

Nas primeiras décadas do século XIX a cidade possuía apenas algumas poucas dezenas de ruas e uma população de mais de vinte mil habitantes, mais de um quarto de escravos.  O lixo neste período era sobretudo orgânico e um assunto que se tratava em casa, enterrado nos quintais, destinado à alimentação de animais ou como adubo de hortas.

Mas nessa mesma época, para manter a limpeza das poucas ruas e becos existentes, o poder público já determinava destinações alternativas para o lixo: “nos fundos das casas do tenente coronel Antônio Maria Quartim” e outros seis locais pré- determinados.

Durante o século XX a cidade e o lixo cresceram aceleradamente e as destinações se diversificaram.  Neste período o lixo de São Paulo foi destinado a lixões, incineradores, centrais de compostagem e aterros sanitários; mas em 2004, todas as destinações haviam minguado à exceção de dois aterros sanitários existentes, um deles situado fora do município.

Esse era ainda o cenário vigente em 2013 quando a cidade, em atendimento a determinação da PNRS planejou a gestão de resíduos sólidos para os próximos vinte anos e estabeleceu programas, projetos e ações para a recuperação de resíduos compostáveis e recicláveis, por meio do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – PGIRS.

Centenas de delegados eleitos por milhares de paulistanos e apoiados por especialistas e técnicos da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana – AMLURB decidiram, durante meses e dezenas de reuniões, os principais aspectos do que fazer com os diferentes resíduos gerados em São Paulo.

58 eventos que envolveram mais de 7 mil pessoas e organizações sociais diversas culminaram pela aprovação de diretrizes e estratégias do PGIRS, um plano com contribuições diversificadas, muito debatido, complexo e, sobretudo, socialmente compromissado.

Um dos programas propostos pelos delegados foi a compostagem domiciliar fomentada pelo poder público. As análises demonstraram que os custos da cessão de composteiras – sua implantação, monitoramento e assistência técnica – podem ser cobertos em uma gestão governamental, pela economia obtida com a redução da coleta, transporte e disposição final de resíduos orgânicos.

RESULTADOS INICIAIS[2]

A compostagem in situ começou a ser incentivada pela administração pública de São Paulo logo após a publicação do PGIRS, em junho de 2014, por meio da cessão de composteiras a domicílios unifamiliares[3]. Em seis meses foram recuperados 250 toneladas de resíduos orgânicos.

O projeto denominado Composta São Paulo[4] entregou kits de compostagem doméstica com minhocas para 2.006 domicílios da cidade de São Paulo. Os kits contemplaram uma composteira de 3 caixas plásticas, 2 para o processo de compostagem e uma para a coleta do líquido produzido durante o processo, acessórios e manual impresso.

O projeto Composta São Paulo fez um chamamento público para a adesão de interessados e em aproximadamente 40 dias o projeto teve 10.061 inscrições de regiões e classes sociais diversas do município de São Paulo; até mesmo se inscreveram mais de mil interessados de outros municípios brasileiros!  Foram selecionados 2006 domicílios. A entrega das composteiras foi acompanhada de 135 oficinas de capacitação para mais de 5.000 participantes.

Após 2 meses de uso das composteiras, os participantes do projeto foram convidados para 88 oficinas de Plantio onde receberam dicas e técnicas de plantio em pequenos espaços para utilização do composto produzido pelas composteiras. E criou-se uma comunidade virtual no Facebook[5]. A formação dessa comunidade de “composteiros” encerrou o primeiro ano de projeto com mais de 6.000 membros.

Os resultados do monitoramento do projeto mostram que 89% diminuíram notavelmente a entrega de resíduos para a coleta. Quase todos os participantes enfrentaram alguma dificuldade com o manejo da composteira ao longo do processo, mas isso não se configurou como barreira, tendo em vista o nível de satisfação com a prática de compostagem e com a desistência de apenas 47 domicílios (2,3%).

97% dos participantes que responderam à pesquisa (1535 pessoas), se consideram satisfeitos ou muito satisfeitos com a técnica, 98% acreditam que é uma boa solução para o tratamento de resíduos orgânicos e 86% afirmam ser fácil praticar. 85% acreditam que ter acesso a experiência de outras pessoas por meio do grupo exerceu influência positiva na motivação em compostar e mudanças de hábitos.

29% ajudaram outras pessoas não contempladas pelo projeto a produzir, instalar ou manusear uma composteira. Os participantes que responderam aos questionários (1.535 pessoas) atraíram 2.525 novos participantes, que trataram de montar ou comprar o seu próprio sistema de compostagem.

27% dos participantes doaram minhocas para que outras pessoas pudessem iniciar a pratica. 84% afirmam ter ampliado muito ou razoavelmente seus conhecimentos sobre sustentabilidade urbana; 96% se consideram muito ou razoavelmente mais esforçados em lidar corretamente com os resíduos que produzem; 54% afirmam que passaram a comer muito ou razoavelmente mais frutas e legumes.

A estratégia de comunicação foi essencial para os ótimos resultados iniciais.

Nossa espécie é curiosa, observa Naomi Klein[6] em um livro magistral sobre as mudanças climáticas: “Confrontada a uma crise que ameaça nossa sobrevivência como espécie, toda nossa cultura continua fazendo justamente aquilo que provocou a crise, inclusive colocando um pouco mais de empenho(…)”.

Mas na crise, além de ameaças há oportunidades: “Há formas de evitar esse futuro desalentador ou, pelo menos, de fazê-lo menos ameaçador. O problema é que todas elas implicam também em mudar tudo (…) a boa notícia é que muitas dessas mudanças não tem nada de catastróficas. Muito pelo contrário: boa parte delas são simplesmente emocionantes.”

Na gestão de resíduos sólidos, continuar fazendo justamente aquilo que provocou a crise é continuar a priorizar a gestão “end of pipe”: o desperdício de materiais compostáveis ou recicláveis em aterros sanitários, lixões ou incineradores e cimenteiras.

Quando se olha para a origem, até mesmo o sistema arrecadador pode se tornar mais inteligente e justo: aqueles que recuperam seus resíduos e os desviam dos aterros devem pagar menos do que daqueles que geram mais resíduos, emissões e despesas públicas.

É emocionante observarr a transição da gestão “end of pipe” para a origem, conforme determina a PNRS. As vantagens são muitas e conhecidas: aumento na vida útil de aterros sanitários, redução de GEE; diminuição do número de viagens na cidade; recuperação de matéria orgânica e nutrientes para o solo e plantas; captura do carbono da atmosfera e como material filtrante de GEE de aterros sanitários.

Não é só emocionante, mas surpreende quando nos damos conta dos inesperados benefícios pessoais e coletivos decorrentes da pratica da compostagem in situ, apresentados nos Depoimentos Selecionados[7], realizada pelos empoderados e criativos “mestres composteiros”.

A compostagem in situ é um instrumento de política pública empoderador, forjador de compromissos coletivos, com um extraordinário efeito multiplicador que promove e alenta a cidadania.

Depoimentos Selecionados

  • “Minha relação com insetos e outros bichinhos ficou menos tensa.”
  • “Acho que agora, andar na rua, com uma atitude de maior atenção as pessoas, bichos, plantas e movimentos, atitudes, tem outro entusiasmo! Acho que me tornei mais comunicativa! A consciência social aflorou como uma grande descoberta e surpresa por perceber que não é tão complicado assim melhorar ou ajudar o meio em que vivemos.”
  • “Fico muito atenta ao meu lixo orgânico, e ao lixo dos vizinhos (alguns vizinhos compartilham lixo orgânico comigo). Fiquei mais crítica com a quantidade de comida a comprar. Afeição as minhocas.”
  • “A prática da compostagem me levou de volta a uma paixão pela terra e pelo plantio. Passei a catar caixotes de feira na rua, vasos de plástico e outros recipientes recicláveis, recupera-los e plantar jardineiras para presentear amigos. Tenho plantado canteiras de suculentas, que ficam lindas, e em algumas, já consegui utilizar o próprio composto produzido pelas minhas bravas minhocas!”
  •  “Me sinto conectada novamente. Como se o longo de uma vida inteira não fizesse parte. Tem sido como uma reconexão. Simplesmente por trazer a atenção para o assunto (natureza, interação) com mais frequência. Alimentar as minhocas, retirar o chorume, regar as plantas, entre outras atividades prazerosas que envolvem a compostagem, são como uma Meditação Ativa, Mindfulness, reconexão, um explorar da minha bagunça interna e do silêncio do Todo.”
  • “Cuidar da compostagem se tornou um compromisso porém com o prazer de um hobby! Gosto de fazer isto e me sinto útil e contente por contribuir de alguma forma para a sustentabilidade, mostrando também para outros que não é tão difícil assim mudar de atitude.”
  • “Acredito que um dos pontos mais positivos da compostagem foi o envolvimento da minha irmã mais nova ao longo de todo o processo. Para uma criança, acredito que seja de extrema importância esse tipo de informação e cultura para que se tornem cidadãos plenos e seres humanos de fato HUMANOS.”
  •  “Como passei a plantar e, portanto, mexer mais na terra, uso isso como forma de relaxar, desestressar. Parece que descarrego todas as energias ruins no contato com a terra.”
  •  “Em nossa casa, a reciclagem sempre foi uma realidade mas com a compostagem orgânica, vivenciamos um envolvimento familiar muito interessante: a hora de recolher os resíduos e colocar nas plantas, o cuidado com as minhoquinhas, a atenção com o recolhimento e separação dos resíduos virou um “programa” familiar. Até nossa funcionária gosta do projeto.”
  •  “Não imaginava a fonte de prazer que seria observar diariamente esses processos de decomposição, germinação, equilíbrio natural.”
  •  “Tenho menos “nojo” de vermes e outros animais rastejantes. Também colônias de animais não me assustam tanto, depois de ver a colônia de ácaros que haviam na minha composteira. Lido melhor quando encontro alguma comida que está apodrecendo em casa (ante eu ficava com nojo, quase horrorizada, hoje em dia fico interessada em ver como ela se decompõe).”
  •  “As plantas sempre me trouxeram uma sensação de paz e tranquilidade. Com a compostagem eu passei a cuidar melhor de minhas plantas e a me sentir feliz com isto. É interessante ver que tudo é reutilizável e que cada coisa tem sua função neste planeta, as folhas mortas, os restos de vegetais, as minhocas e que tudo se encaixa de uma maneira fantástica no universo.”
  • “Me inscrevi no Treinamento de Lideranças Climáticas ministrado pelo Al Gore no RJ e fui aceita, me inscrevi numa oficina de Bioconstrução na Casa Fora do Eixo e passei 2 meses em uma fazenda orgânica em Saquarema – RJ. Estou apaixonada pelo Planeta!”
  • “Me envolvi em uma ong, na qual faço parte hoje, que faz palestras de educação ambiental em praças/espaços públicos.”
  • “Dei curso de compostagem na escola do meu filho e no condomínio onde moro. Já “Estou tentando convencer o pessoal de uma igreja aqui da região, que eles podem usar o terreno que está inutilizado por eles, e cultivar alimentos orgânicos e praticar compostagem e captar água da chuva sem muito custo adicional.”
  • “Desenvolvi uma oficina de minhocário de baixo custo (com baldes de margarina) no bairro onde moro. No momento estou implementando esses minhocários numa comunidade cultural do bairro.”
  •  “Vendi meu carro e só ando de bike.”
  •  “Dei uma oficina sobre compostagem doméstica no meu condomínio. :)”
  • “Comecei a participar mais ativamente de alguns encontros, visitei algumas hortas e finalmente comecei a frequentar o Pic Nic de troca de sementes e mudas.”
  • “Fiz uma horta orgânica na escola pública do meu neto.”
  • “Identificação é a palavra. Num mundo individualista, digo sempre que o grupo dos composteiros é o meu favorito!”
  • “Trocar experiências, e pedir opiniões é fundamental quando o objetivo é evoluir num sentido comum. Saber que outros enfrentaram as mesmas dificuldades e lograram sucesso, incentiva na busca de melhores soluções e amplia o conhecimento e, quando este é retransmitido a outros, recicla a própria natureza humana.”
  • “Definitiva. Foi através da página do facebook que aprendi as lições mais importantes sobre como manter a composteira. Outra coisa legal da página foi me re-conectar com pessoas que eu já conhecia, ou seja, já eram meus contatos no facebook, mas eram pessoas distantes de meu convívio, e quando vimos que estávamos na mesma página e fazendo compostagem, nos reconectamos!”
  • “Cuido do meu pai que tem demência e não tenho muito tempo pra participar de cursos. Sem este grupo ficaria muito difícil para leigos como eu continuarem com a compostagem, além de serem muito dinâmicos dando dicas para acabar com as drosófilas e outros insetos. Tenho muitas dúvidas e sempre pergunto pra eles, tenho sempre resposta até hoje. Obrigada.”
  • “O que tem sido mais interessante é notar e satisfazer a curiosidade dos visitantes da casa com relação à compostagem com minhocas. Muitos amigos se inspiram ao perceber que o processo é simples. Não sei dizer se levarão a ideia a cabo, mas apenas de discutirem o assunto já sinto que algo mudou.”
  •  “Os amigos que não participam do projeto ficam curiosos em conhecer como a composteira funciona e pedem composto e biofertilizante.”
  • “O mais positivo ao meu ver é o caráter contagiante do projeto. Eu mesma estou mantendo a composteira no espaço comum do prédio onde moro e só na primeira semana 6 pessoas além de mim já viram e aprenderam sobre compostagem por causa do projeto. Imagine até o final do projeto, cada um dos 2000 participantes, irá multiplicar muito isso e por isso, ao meu ver, será permanente.”
  • “Envolvimento. Esta é a palavra que agrega tudo o que vivenciamos a partir do momento que iniciamos o projeto. Envolvimento meu e de meu marido que abraçamos a ideia. Envolvimento de minhas filhas que foram se apropriando e incorporando a seleção do que ia para um ou outro cesto (inclusive “importamos” umas minhocas para Botucatu, onde minha filha mora e seu namorado iniciou uma compostagem na república que moram). Envolvimento de nossos parentes e visitas que saem de casa com uma outra concepção do que é lixo e, claro, muitos nos pedem para vir ver a composteira doméstica. É a estrela daqui de casa! (rsrs) Estamos realmente envolvidos neste projeto e muito felizes em fazer parte de um momento histórico tão significativo em nossa cidade. Fazendo a diferença para que em um futuro próximo isso seja um hábito, mudança estrutural na cultura dos grandes centros urbanos do nosso país.”
  •  “É interessante ver que toda família se animou com a composteira e até amigos se interessaram. O lixo orgânico diminuiu muito e se tornou algo até como distração para minha mãe.”
  •  “A experiência de ter uma Composteira em casa é indescritível, ter a responsabilidade e comprometimento da redução do lixo disposto em lixões. E fora as aulas de compostagem para cada visitante de sua casa.”
  • “Meu presente de natal para os amigos foi um lindo vidro de chorume do bem com um laço de fita vermelho e verde! foi um sucesso!”
  • “Acho positivo que a prefeitura de uma capital, como SP, se posicione e incentive a população a cuidar de seus resíduos.”
  •  “O mais interessante é a experiência, o aprendizado. Foi graças a compostagem que aprendi o quanto realmente preciso comprar de comida pra minha família, pois passei a observar o que descartava.”
  • “O volume de resíduos que estou deixando de jogar no lixo é bastante considerável!”
  • “Primeiro, gostamos muito de saber que a prefeitura está engajada em reduzir os resíduos sólidos nas residências – nosso lixo realmente diminuiu 70% (a gente já reciclava), passando de 1 saco de 100l por semana que ia pro aterro, pra um saco de 100l a cada 3, 4 semanas. Além disso, o grupo no facebook tem se mostrado muito útil e acolhedor, muitas pessoas se ajudando!!!”
  •  “Mudança nos meus hábitos alimentares, estou começando a comer menos carne e mais vegetais e frutas.”
  •  “Talvez meio incongruente mas é verdade… o lado lúdico!!! O fato de ser divertido compostar… unir a preservação do meio ambiente e ao mesmo tempo ser divertido.”
  •  “O mais positivo é reduzir o resíduo orgânico! Eu reduzi meu lixo pela metade depois de fazer a compostagem caseira! =)”
  •  “Participar de um projeto coletivo. Unir é preciso. Aprender coletivamente é essencial.”
  •  “A diminuição de resíduos orgânicos em casa é incrível! Antes levávamos o lixo no mínimo 1 vez por dia e uma grande quantidade. Agora a lixeira além de permanecer limpa por só ir resíduos secos, só é esvaziada em média a cada 2 ou 3 dias.”
  • “Nunca antes eu havia conhecido ou ouvido falar sobre uma abordagem como esta desenvolvida para construir uma política pública, ou ainda um projeto como este para incentivar a compostagem doméstica em uma cidade grande como São Paulo, dada a complexidade para enfrentar este desafio. O projeto foi estruturado e desenvolvido de forma exemplar, sem nenhuma falha, e com muita dedicação de sua equipe. Em resposta a tal esforço eu vejo a forma como os participantes se identificaram com o projeto e fizeram dele parte de suas vidas, construindo também uma rede participativa de compostagem doméstica. Quando penso neste projeto penso em muito mais do que a transformação de resíduos domésticos, penso na transformação de vidas, de comunidades e de toda uma cidade.”
  •  “Primeiramente gostaria de parabenizar a iniciativa do projeto e a parceria. Achei a proposta muito corajosa ao incentivar a mudança de paradigma, o empoderamento de cada indivíduo, se todos fizermos um pouco singularmente com certeza faremos muito coletivamente. O projeto faz você perceber que a mudança é possível e começa dentro de casa!”
  • “Esse projeto é ótimo, conseguiu atingir e sensibilizar pessoas de diversas classes sociais, com diferentes níveis de formação escolar, desde profissionais com especialização, professores, pais de alunos de baixa renda em escola pública. Práticas como essa devem ser incentivadas, estimulada e divulgada, para que assim possamos transformar o ambiente em que vivemos em algo melhor. Se não tivesse ganhado essa composteira, dificilmente eu compraria uma, mas depois de ver o sistema funcionando me convenci da importância de pequenas ações e processos, e a importância da participação da Prefeitura de São Paulo, e a parceria com o projeto Composta São Paulo. Esse tipo de projeto me fez sentir parte de um projeto e ação maior, de ver o Estado próximo ao cidadão, não apenas para cobrar impostos, mas direcionando parte da verba da contribuição ao próprio cidadão e melhorando nossa cidade.”
  •  “Adorei a iniciativa do Projeto. Vai ser uma história e tanto para ser contada e vivenciada daqui alguns anos por todos (assim espero).”

 

  1. REFERENCIA BIBLIOGRAFICA
  1. Limpeza urbana na Cidade de São Paulo: uma história para contar / [organização e texto Ariovaldo Caodaglio, Roney Cytrynowicz ; fotografia Henrique Luz]. — São Paulo: Via Impressa Edições de Arte, 2012.
  2. BRASIL. Lei n.º 12.305, de 02 de Agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 03 ago. 2010. Seção 1 p 3.
  3. PMSP. Prefeitura da Cidade de São Paulo. Secretaria de Serviços. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo. São Paulo: Abr, 2014. 456p. [Disponível emhttp://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/servicos/arquivos/PGIRS-2014.pdf)]
  4. INACIO CT; BETTIO DB; MOMSEN MILLER PR. O papel da compostagem de resíduos orgânicos urbanos na mitigação de emissões de Metano. Embrapa Solos. Rio de Janeiro, RJ, 2010

 

Dan Moche Schneider (danmoche@gmail.com). Engenheiro com mestrado em saúde ambiental é consultor de governos e organismos internacionais. Participou na elaboração do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de São Paulo, responsável pelos resíduos orgânicos. Atualmente vive no Peru onde faz seu próprio composto a partir de mais de 90% dos resíduos orgânicos produzidos em seu apartamento e experimenta os mesmo benefícios pessoais e coletivos observados em São Paulo.

Cláudio Spínola – Artista plástico pela Universidade de São Paulo, educador Ambiental e empreendedor Social, diretor executivo da Morada da Floresta. Ministra cursos e palestras relacionadas à sustentabilidade, desenvolve sistemas de compostagem para pequenos, médios e grandes geradores de resíduos orgânicos e consultoria em sustentabilidade. Idealizador e coordenador do projeto Composta São Paulo.

Guilherme Turri – paulista, 33 anos, formado em Comunicação Social pela ESPM. Trabalhou com pesquisas de comportamento e consumo desde 2004, atuando tanto na área de campo e como também de análise e planejamento estratégico. Em 2013, foi responsável pela coordenação estratégica, de comunicação e mobilização e pelas pesquisas do projeto Composta São Paulo.



[1] Disponível no sítio da Secretaria de Serviços da Prefeitura de São Paulo à qual está vinculada a Autoridade Municipal de Limpeza Urbana – AMLURB emhttp://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/servicos/arquivos/PGIRS-2014.pdf

[2] Video sobre os resultados iniciais disponivel em https://vimeo.com/127681378

[3] O projeto Composta São Paulo é uma iniciativa da Secretaria de Serviços da Prefeitura de São Paulo, por meio da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana – AMLURB, realizado pelas concessionárias de limpeza urbana (LOGA e ECOURBIS), idealizado e operacionalizado por empresa referência em compostagem doméstica e empresarial (MORADA DA FLORESTA)

[5] https://www.facebook.com/groups/compostasaopaulo/

[6] Klein, N. Esto Lo Cambia  Todo: el capitalismo contra el clima. Paidós. Editorial Planeta Colombiana S.A. Primera Edición: abril de 2015 (Colombia).

[7]http://www.compostasaopaulo.eco.br/downloads/Depoimentos Selecionados.pdf

Fonte: http://jornalggn.com.br/blog/dan-moche-schneider/a-compostagem-domiciliar-como-instrumento-de-politica-publica-em-sao-paulo

MMA leva Plano de Adaptação às Mudanças Climáticas a consulta pública este mês

Elton Alisson e Samuel Antenor

Agência FAPESP

 

O Ministério do Meio Ambiente colocará em consulta pública este mês o Plano Nacional de Adaptação às Mudanças Climáticas. O anúncio foi feito pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, em visita à FAPESP, na segunda-feira (31/08). A adaptação às mudanças climáticas está na pauta da proposta que o Brasil levará à 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 21), que ocorrerá em dezembro, em Paris, sem, no entanto, ganhar o mesmo destaque que o Brasil dará ao tema da mitigação.

Na ocasião, a ministra reuniu-se com dirigentes da FAPESP e coordenadores dos programas de pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG), em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável da Biodiversidade (BIOTA) e em Bioenergia (BIOEN), apoiados pela Fundação, para debater alguns pontos da agenda da COP 21.

O foco do encontro mundial, na França, será costurar um novo acordo entre os países para diminuir a emissão de gases de efeito estufa (GEE), reduzindo o aquecimento global e limitando o aumento da temperatura mundial em 2 ºC até 2100.

Acompanhada por Carlos Klink, secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do ministério, a ministra foi recebida por Celso Lafer, presidente da FAPESP; Eduardo Moacyr Krieger, vice-presidente; e Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fundação.

Também participaram da reunião José Goldemberg, conselheiro da FAPESP designado presidente da Fundação a partir de 8 de setembro; Carlos Eduardo Lins da Silva, consultor em Comunicação da FAPESP; e Fábio Feldman, ambientalista e consultor.

Durante o encontro, membros das coordenações dos programas PFPMCG (Reynaldo Luiz Victoria, Paulo Artaxo e Gilberto Câmara), BIOTA (Carlos Joly) e BIOEN (Glaucia Mendes Souza), apresentaram à ministra alguns dos avanços e principais subsídios das pesquisas realizadas no âmbito desses programas para auxiliar na formulação de políticas públicas relacionadas aos fatores que interferem nas mudanças do clima em todo o mundo.

A ministra destacou que, durante a COP 21, estarão em jogo os novos rumos da política mundial relacionada ao clima e que o papel do Brasil nesse cenário será determinante.

Na opinião dela, é hora de buscar um acordo baseado em uma nova estratégia de compromissos, visto que o tema das mudanças climáticas ganhou protagonismo político irreversível.

Do mesmo modo, Lafer observou, durante a reunião, que o momento é de dar aos insumos do conhecimento científico maior grau de importância, para a deliberação de políticas públicas.

Nesta entrevista à Agência FAPESP, a ministra explica quais serão os principais pontos da proposta de redução de GEE que o Brasil levará à COP 21, fundamentada no conhecimento científico.

Agência FAPESPSua visita à FAPESP faz parte da iniciativa do Ministério do Meio Ambiente de obter contribuições da comunidade científica e de outros setores da sociedade para apresentar a proposta brasileira na COP 21?
Izabella Teixeira – Esta foi minha segunda visita à FAPESP. A primeira foi, exatamente, quando começamos a construir a proposta da INDC [as metas de corte de emissão de gases de efeito estufa] brasileira à COP 21. Hoje, nesta segunda visita, estabelecemos uma conversa mais dirigida em torno de temas prioritários e do que a FAPESP está fazendo, particularmente, no âmbito de seus programas de mudanças climáticas, bioenergia e do BIOTA, que convergem para a agenda de desenvolvimento sustentável. Também tivemos a oportunidade de discutir um pouco sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável [um conjunto de 17 objetivos e 169 metas para acabar, até 2030, com a pobreza e promover universalmente a prosperidade econômica, o desenvolvimento social e a proteção ambiental, estabelecidos durante a Rio+20, em 2012] e os desafios apresentados para a adoção formal desses objetivos pelos líderes mundiais, que deve ocorrer agora, em setembro, durante a Cúpula de Desenvolvimento Sustentável, em Nova York. A visita à FAPESP faz parte dessa estratégia, mas também de ter um diálogo mais próximo sobre os possíveis números, os vários trade-offs [escolha entre opções conflitantes] que a gente tem, olhando a experiência de São Paulo e os vários estudos que têm sido desenvolvidos com apoio da FAPESP nessa área de mudanças do clima.

Agência FAPESPOs resultados das pesquisas apoiadas pela FAPESP relacionadas a mudanças do clima, bioenergia e biodiversidade devem contribuir para a fundamentação da proposta brasileira que será levada à COP 21?
Teixeira – Um dos resultados de projetos apoiados pela FAPESP que já utilizamos é um sistema de modelagem de uso da terra e cenários de emissão no Brasil a partir do Código Florestal, que está sendo desenvolvido no Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] sob a coordenação do professor Gilberto Câmara. Estamos usando esse sistema no governo, no Ministério do Meio Ambiente, em parceria com o Inpe, para discutir a trajetória do fim do desmatamento legal na Amazônia e de restauração florestal no Brasil. O país tem a ambição de deixar de ser um emissor para ser, na realidade, um sumidouro de carbono. Para isso, é preciso estimar a taxa de restauração florestal no Brasil, e um dos alicerces desse debate é, exatamente, essa modelagem de cenários de emissões no Brasil a partir do Código Florestal que está sendo desenvolvida no Inpe com apoio da FAPESP. Esses cenários dialogam muito com os atuais cenários que estão em prática e já foram pré-adotados na Política Nacional de Mudança do Clima, cuja primeira fase vai até 2020.

Agência FAPESPHá a expectativa de que a proposta brasileira para a COP 21 seja apresentada antes do início de outubro. Isso deve ocorrer?
Teixeira – Pela Convenção do Clima temos como data-limite de apresentação da proposta o dia 1º de outubro. A presidente Dilma anunciou durante a visita da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em agosto, que fará o anúncio da INDC brasileira no final de setembro, durante a Cúpula de Desenvolvimento Sustentável, em Nova York.

Agência FAPESPQuais serão os pilares da proposta brasileira?
Teixeira – A proposta brasileira já está definida. Estamos checando todos os modelos matemáticos e os números, por exemplo, de mudança do uso da terra, que não são, necessariamente, convergentes. Há quem diga, por exemplo, que faz desmatamento líquido zero. Em um cenário de várias modelagens que fazem sentido para o Brasil, não se consegue, nem em 2040, fazer desmatamento líquido zero. Mas o Brasil já indicou alguns caminhos [de redução das emissões de gases de efeito estufa]. Um deles é que pretende dobrar a participação de energia renovável – além da hídrica – na matriz energética brasileira até 2030. Isso é uma sinalização de uma trajetória de investimentos robustos em energia renovável, que vão além da energia hídrica. O país também indicou ter a meta de restaurar 12 milhões de hectares [de áreas de floresta degradadas]. Isso não é algo trivial de ser feito e, obviamente, significa que temos ambição de usar o Código Florestal, mas também começar a capturar carbono. O Brasil também sinalizou rotas para o fim do desmatamento legal até 2030. Nós estamos vendo quais são as condições, porque dependemos, por exemplo, das informações e da transparência dos estados que autorizam a supressão de vegetação em seus planos de manejo. Enquanto isso não for totalmente transparente, não se tenha acesso aos dados e a um modelo de governança que integre União e estados, não há como avançar. E o compromisso que será assumido em Paris será monitorado e verificado. Portanto, o compromisso terá que ter transparência total e precisamos ter robustez em todos os dados. Também estamos discutindo a segunda geração da agricultura de baixo carbono, como a gente chama, que compreende desde restauração de pastagens até um incremento nas técnicas de produção e a integração de lavoura e agropecuária. Outra discussão que estamos fazendo é sobre a questão de resíduos sólidos, mas isso não é expressivo no perfil de emissões de gases de efeito estufa do Brasil. E outra coisa que deverá aparecer na proposta brasileira é a degradação florestal, que é um tema que ninguém ainda encontrou solução para isso no mundo. Nós entendemos que se o Brasil ambiciona acabar com o desmatamento ilegal e restaurar florestas, o país também precisa lidar cientificamente e politicamente com a questão da degradação florestal. Isso também é uma contribuição que esperamos dar para a Convenção de Clima nessa nova trajetória em relação à ambição brasileira.

Agência FAPESPAlém de mitigação, a proposta brasileira também contemplará a agenda de adaptação às mudanças do clima?
Teixeira – O Brasil virá com uma agenda de mitigação e também deveremos indicar algumas coisas de adaptação. Lançaremos neste mês de setembro o Plano Nacional de Adaptação em consulta pública. Nós não temos dados nacionais completos sobre adaptação em diversas áreas. Temos dados apenas para a área de energia e de algumas outras áreas que têm apresentado bastante avanço, como saúde. A ideia do Plano Nacional de Adaptação é chamar vários setores para que possamos modelar e aprofundar as informações a respeito de alguns segmentos que são estratégicos em relação à adaptação como, por exemplo, as cidades, e com isso possamos formular e apresentar, quem sabe nos próximos anos, uma política robusta de adaptação. Mas na INDC brasileira temos a ambição, sim, de falar de mitigação e adaptação.

Agência FAPESPA ideia é ampliar a discussão sobre adaptação às mudanças do clima no Brasil?
Teixeira – Vamos ampliar essa discussão e, mais do que isso, construir uma capacidade tecnocientífica em mitigação no Brasil, que tem um grande espectro. É importante que a ciência esteja cada vez mais próxima, gerando conhecimento dirigido para os processos estratégicos de tomada de decisão do nosso desenvolvimento. Eu não acredito em distanciamento de decisão política da ciência. Pelo contrário. Eu acho que o clima se revela uma agenda importante do ponto de vista político porque se soube trazer para as discussões climáticas o conhecimento tecnocientífico. Há 25 anos, as pessoas colocavam em dúvida as mudanças climáticas. Hoje os questionamentos vêm de uma pequena parcela da sociedade. Há um convencimento político de que é preciso enfrentar o problema e de que há uma diversidade de situações. Para dar conta dessa diversidade de situações, é preciso que trajetórias tecnológicas e sociais sejam assumidas pelos países para reduzir suas emissões e cumprir o compromisso global de limitar em, no máximo, 2 ºC o aumento da temperatura neste século. No caso do Brasil, mesmo com a política voluntária internacionalmente, mas compulsória nacionalmente, o país é um campeão de redução de emissões na área de uso da terra, mas precisa dotar ainda de eficiência outros processos produtivos para assegurar uma transição robusta para a economia de baixo carbono. É preciso fazer mais na indústria e em setores como de combustíveis, embora já tenhamos a matriz energética que é a mais renovável do planeta. Mas o Brasil pode ambicionar ser o único país do mundo que tenha condições em menor espaço de tempo – até 2040 ou 2050, por exemplo – de atingir uma matriz equilibrada entre fóssil e renovável. Mas, para isso, tem que fazer opções tecnológicas, investimentos, ter conhecimento e, mais do que isso, tem que dialogar com a segurança energética do sistema nacional, com combustíveis baratos e com o caminho de desenvolvimento pelo qual a sociedade vai optar. E isso não pode ser feito trancado em uma sala com quatro paredes. É preciso dialogar e construir essas soluções e usá-las para minimizar as assimetrias de desenvolvimento regional que o país tem.

Agência FAPESPE em relação às assimetrias internacionais?
Teixeira – Um dos debates no mundo hoje, por exemplo, é como vamos definir um mecanismo de diferenciação entre países que têm contribuições históricas com a questão de carbono na atmosfera. O carbono da evolução industrial está lá. Mas o carbono também do desmatamento das florestas na Europa e no Brasil também está lá. Então, é importante saber como é que vamos diferenciar isso do ponto de vista da ambição. Nós somos um país ainda em desenvolvimento. A infraestrutura do país ainda não está consolidada. Na Europa a infraestrutura está consolidada, já se tem um perfil de emissão. É óbvio que se precisa entender no tempo quais são as trajetórias tecnológicas, onde se pode ganhar tempo e assegurar desenvolvimento com custos competitivos. Ou seja, vai custar gerar novos empregos no Brasil em uma economia de baixo carbono. Isso tem que ser competitivo para o país. E, obviamente, nos interessa que essa discussão seja acompanhada de inclusão social e de minimizar desigualdades regionais que temos no país. O Brasil não se resume a São Paulo e Rio de Janeiro. As assimetrias são muito gritantes no país. É preciso entender que trajetórias são essas e como é que se ganha tempo para resolver problemas estruturais ou estruturantes da nossa agenda de desenvolvimento, já resolvendo uma equação de baixo carbono. Daí a oportunidade de se discutir clima não como ameaça, mas como uma solução, um caminho para que se possa ter um desenvolvimento com mais qualidade e bem-estar.

Agência FAPESPO contexto da COP 21 é mais favorável para se chegar, de fato, a um acordo global sobre a redução das emissões de gases de efeito estufa no planeta?
Teixeira – A COP 21 está sendo muito bem estruturada do ponto de vista da participação dos países. Fazia muito tempo que eu não via uma COP com tanta gente que entende de clima e em posição de tomada de decisão. Eu acho que isso também tem muito a ver com o movimento da sociedade. A sociedade globalmente está se movimentando cada vez mais para ter uma solução em relação ao clima. As passeatas pelo clima que aconteceram em Nova York no ano passado foram muito representativas do engajamento popular, no mundo todo, em relação a esse tema. Agora, precisamos ter universidades e instituições de pesquisa dedicadas a isso e aprofundar o conhecimento sobre as mudanças do clima em países como o Brasil. Já temos grande conhecimento e precisamos fazer mais.

Agência FAPESPQual deverá ser a principal contribuição da COP 21 para as discussões sobre o clima no mundo?
Teixeira – Na COP 21 todo mundo irá assumir compromissos em caráter compulsório e, portanto, será sujeito à verificação e terá que ser transparente para suas sociedades. E, mais do que isso: eu acho que as soluções não estão circunscritas aos estados, aos governos. As sociedades nacionais estão caminhando para as opções de desenvolvimento que incluam a solução de carbono. Eu acho que isso é que Paris deixará como mensagem. As INDCs representam as novas trajetórias de cada sociedade nacional em busca de soluções sobre o clima. Será a primeira vez que teremos isso no mundo. Todos estarão olhando de maneira convergente porque eles são parte da solução e, não necessariamente, um mundo dividido em que alguns são responsáveis pelo problema e outros não. Você muda a orientação política indicando que todos são parte da solução. Estão aí as migrações no mundo mostrando que as coisas não estão corretas. O mundo está tendo redefinições de limites territoriais. Não adianta achar que é possível se isolar em uma redoma. Está tudo visível, acontecendo. A questão do clima tem que oferecer soluções. Eu acho que esse será o ativo político de Paris.
Fonte: http://agencia.fapesp.br/mma_leva_plano_de_adaptacao_as_mudancas_climaticas_a_consulta_publica_este_mes/21812/

Canudinho plástico preso em narina de tartaruga é removido por pesquisadores

Cena chocante mostra como é importante evitar o uso de canudinhos plásticos

Resíduos sólidos, quando descartados incorretamente, podem causar muitos problemas ambientais e para os humanos. Um grande exemplo disso é um vídeo feito por pesquisadores da vida marinha dos Estados Unidos, que gerou grande repercussão na internet.

Nele, os pesquisadores observam um objeto estranho em uma das narinas de uma tartaruga marinha e tentam removê-lo. Era um canudinho plástico! Ele foi inalado e se prendeu ao organismo do animal. Após a retirada do item, a tartaruga foi medicada e devolvida ao mar.

Assista ao vídeo da retirada do canudo plástico abaixo (atenção, as cenas são fortes):

Portanto, para evitar que esse tipo de coisa aconteça, poupe ao máximo o uso de canudinhos plásticos. Para saber o que são microplásticos e seus riscos, cliqueaqui. O vídeo é de autoria da estudante de pós-doutorado em Biologia Marinha, Christine Figgener, que lançou uma campanha no site Go Fund Me para promover maiores pesquisas sobre as tartarugas e também montar um kit de primeiros socorros para biólogos e ambientalistas que possam vir a encontrar um desse animais preso em redes, linhas e ganchos de pesca ou com qualquer tipo de ferimento.

 

Fonte: http://www.ecycle.com.br/component/content/article/35-atitude/3673-video-canudinho-plastico-preso-em-narina-de-tartaruga-e-removido-por-pesquisadores.html?lb=no&utm_source=eCycle&utm_campaign=fe15ab5800-Newsletter_157_28_08_2015&utm_medium=email&utm_term=0_ca1df616f8-fe15ab5800-150612333

Construção coletiva do Dia Global Action/2015

action2015

No dia 24 de setembro, quinta-feira, ocorrerá em todo o mundo o Dia global Action/2015.

A Action/2015 é uma campanha global da sociedade civil que tem como objetivo aumentar a visibilidade do publico em geral sobre o início da Cúpula da ONU para definir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a agenda de desenvolvimento mundial até 2030.

Em diferentes partes do mundo a sociedade civil organizada fará ações que chamem a atenção para a relevância dos ODS ao mundo e demonstrem a importância de levar esse debate aos países para assegurar que em 15 anos sejamos capazes de enfrentar a desigualdade, assegurar os direitos humanos e respeitar os limites do planeta na construção de um novo paradigma de desenvolvimento.

Em São Paulo teremos uma mobilização no Largo da Batata no final da tarde do dia 24 de setembro para conscientizar a população sobre a agenda Pós 2015.

Acompanhe as notícias pela ARZB e participe!